[FILME] They Are Everywhere, dirigido por Yvan Attal

Yvan Attal é um escritor, ator e diretor nascido em Tel Aviv (Israel), mas cresceu nos subúrbios de Paris. Ele já trabalhou em vários filmes, entre eles: A Interprete e Vanilla Sky.

Attal lançou, esse ano, o filme “They Are Everywhere”. Esta é uma produção francesa que explora de forma irreverente temas como: antissemitismo, assimilação, imigração, Israel e identidade judaica tendo como pano de fundo a França atual.

O personagem principal do filme é um alterego do próprio Attal que discute, de forma obsessiva, com o seu psicólogo sobre a sua identidade judaica e o crescente antissemitismo que ele vê em todos os lugares. Essa parte me lembrou muito os filmes do Woody Allen. O personagem do Attal é um judeu sefardita, francês, completamente secular, casado com um mulher não judia e que se vê completamente obcecado por ser judeu e pelo antissemitismo.

As conversas que ele tem com o psicólogo são cortadas por sketches que abordam, cada uma com um grupo de atores e personagens, vários estereótipos judaicos e ideias antissemitas. Temos o político de um partido de extrema-direita que se descobre judeu, um homem judeu que é atormentado por ser pobre enquanto todos ao seu redor acham que todos os judeus são ricos, dois judeus ultraortodoxos discutindo sobre um Midrash e outros, cada um mais politicamente incorreto que o outro.

Existem críticas implícitas em cada uma das sketches, mas é necessário atenção para perceber: logo no início do filme, quando Attal esta conversando com um francês e o último o pergunta “então, você é israelense?” e Attal responde “não, eu sou judeu” e, em outra cena, temos o sobrevivente do Holocausto que fala sobre sua experiência para um grupo de pessoas com Alzheimer.

O filme aborda, com muito senso de humor e inteligência, várias das dúvidas que fazem parte do universo judaico. Em uma das entrevistas com o psicólogo, Attal é questionado se a sua mulher é judia e ele responde que ela é e não é. Sua mulher tem um pai judeu e uma mãe não judia, portanto, de acordo com a Halacha (Lei Judaica), ela não seria judia, contudo, em decorrência de ter o sobrenome do pai, todos os antissemitas acham que ela é judia.

Em outra conversa que ele tem com o psicólogo, Attal se pergunta como um judeu pode dizer para outro judeu que o primeiro é obcecado por judeus? Afinal, todos os judeus são obcecados pelos judeus. É um pensamento simples, mas é extremamente verdadeiro e contribui para tornar o roteiro autêntico. No filme se discute de forma neurotica, obsessiva, dramática e emocionante sobre o que é ser judeu – algo que, em geral, escritores seculares judeus conseguem fazer com maestria.

O que é ser judeu? Um convertido de acordo com a Halacha é judeu tanto quanto alguém que nasce Judeu? Qual é a minha cultura, ou seja, a minha herança enquanto alguém que se converteu ao judaísmo? Essas são perguntas que eu me faço constantemente, tanto quanto Yvan Attal, mas, infelizmente, não com tanta qualidade literária.

[Spoiler] No final do filme, o personagem de Attal se pergunta se ele deseja deixar a França. Ele responde para si mesmo com a frase de Billy Wilder, “os pessimistas estão em Hollywood e os otimistas em Auschwitz” e que ele se definia como um otimista porque ele ainda ama a França, ele acredita na França. O monólogo final não é marcado por uma resposta – para as dúvidas do personagens – que se volta para particularismo típico do sionismo ou de um retorno às raízes religiosas da ortodoxia judaica, mas sim, por uma crença em valores universais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s